Home » Artigos Dom Pedro » A mulher do cego

A mulher do cego

Reflexão para o Domingo do XXVI Domingo do Tempo Comum| 25 SET 2021 – Ano “B”

1ª Leitura Nm 11,25-29 | Salmo: Sl 18| 2ª Leitura: Tg 5,1-6| Evangelho: Mc 9,38-43.45.47-48

| MACAPÁ (AP) | Por Dom Pedro José Cont

Um homem tinha uma filha muito feia. Conseguiu que se casasse com um cego, porque ninguém a queria. Certo dia, porém, chegou naquela cidade um médico que se ofereceu para devolver a vista ao cego. O pai da moça foi totalmente contrário a isso por medo que o homem pudesse se divorciar da filha dele.

Continuamos a leitura do evangelho de Marcos. Encontramos ao menos dois grandes ensinamentos. O primeiro diz a respeito da expulsão de demônios usando o nome de Jesus, por parte de pessoas que não estavam diretamente no grupo que o seguia. Talvez os discípulos estivessem com inveja daquilo que estava acontecendo, mas Jesus não se importa com isso, ao contrário, manifesta-se favorável. Ele fica feliz se, por causa do seu nome, alguém é liberto de uma situação de sofrimento. Até um copo de água, algo tão simples e pobre, dado com generosidade aos amigos de Jesus, será premiado. O verdadeiro bem é sempre valioso e não pode produzir frutos contrários ou palavras maldosas. “Quem não é contra nós é a nosso favor”, declara Jesus (Mc 9,40)

O segundo assunto é sobre o pecado do escândalo e as palavras do Evangelho são muito duras. Os “pequeninos que creem” não são as crianças, mas os simples e os humildes do Reino de Deus. Nesse caso, a pequenez não depende da idade ou de alguma condição de inferioridade. Os “pequenos” são todos aqueles que desistem do orgulho e da arrogância e se deixam alcançar pelo amor do Pai. São os “puros de coração” da bem-aventurança de Mateus (Mt 5,8 “eles verão a Deus”) e até Jesus se diz “manso e humilde de coração (Mt 11,29). O grande pecado, o de sempre, é o do ser humano que quer ser “como deus” (Gn 3,5), que recusa a sua condição de criatura e quer disputar com o próprio Deus. Se ainda a humanidade tinha dúvida, Jesus veio para manifestar plenamente a paternidade amorosa e a misericórdia de Deus e enviou os seus discípulos para anunciar e testemunhar essa Boa Notícia. “Deus é amor” (1Jo 4,7-8), ele não quer humilhar o ser humano ou se impor com o seu poder. Ele se doa a todos aqueles que o procuram de coração sincero. Somente precisa acreditar, confiar e deixar-se envolver e transformar por este amor.

O “escândalo” acontece quando quem deveria ensinar o caminho certo para o encontro com Deus não o faz, quando promove a si mesmo, usa o nome de Deus, ou de Jesus, não para o bem, mas para confundir, afastar, dividir. Quem deveria ensinar o caminho da Vida e não o pratica claramente, desvia a si mesmo desse caminho e deixa escandalizados os pequenos. A responsabilidade das Comunidades, da Igreja toda, do primeiro ao último batizado, é muito grande. Por isso, Jesus fala em “cortar” e “arrancar” tudo aquilo que leva a pecar, porque a grande meta a ser alcançada é “entrar no Reino de Deus”. Sem dúvida, Jesus usa palavras que são também imagens. Ele não quer um povo de seguidores mutilados, mas sim um povo de cristãos decididos, corajosos e coerentes.

Para Jesus não existem opções de fé pela metade. Isso não significa que a alegria de ser cristãos seja reservada só para pessoas perfeitas que nunca erram. São os doentes, ou seja, os pecadores, que precisam do médico e não os que têm boa saúde (Mc 2,17 “Não vim chamar justos, mas pecadores”). Ele está sempre disposto a nos perdoar, contanto que o reconheçamos como único Senhor de nossas vidas e não fiquemos, talvez, servindo a dois senhores (Mt 6,24) sobretudo quando um desses senhores é o dinheiro, o poder, ou a nossa ambição desmedida. Quando o Papa Francisco fala em “tolerância zero” na nossa Igreja, não está condenando alguém, mas está nos exortando a todos a corrigir os erros e os possíveis escândalos desde o início, sem deixar que se espalhem, sejam esquecidos ou considerados inevitáveis. Então, vamos arrancar o olho que nos leva a pecar? Claro! Se for necessário para entrar no Reino. No entanto, talvez, seja bom também enxergar bem, não para divorciar da mulher feia, mas para ver claramente o mal .

Comente

Seu email nao sera publicado. Campos marcados so obrigatorios *

*