Home » Papa Francisco » Papa pede proteção de São José Operário aos fiéis da nova Catedral em Madagascar

Papa pede proteção de São José Operário aos fiéis da nova Catedral em Madagascar

O Papa Francisco enviou uma breve mensagem em vídeo por ocasião da bênção neste 1º de maio, a Festa de São José Operário

Foto: Vatican Media

| CIDADE DO VATICANO | Por Vaticannews

Na manhã deste sábado, 1º de maio, realiza-se a bênção da Catedral de São José em Miandrivazo na Diocese de Morondava em Madagascar. Para a ocasião o Papa Francisco enviou uma breve mensagem em vídeo parabenizando pela nova Catedral:

“Estou vendo algumas fotos da nova Catedral, a futura Catedral que será abençoada em 1º de maio, a Festa de São José Operário. Parabenizo a todos por este trabalho que estais realizando e vos felicito por toda a obra educativa, social, religiosa, pelo que fazeis para que os canais de água possam irrigar melhor e produzir mais arroz para todos. Peço a São José que proteja muito todos vós. Uno-me a todos para abençoar esta nova catedral. Que Deus vos abençoe e não se esqueçam de rezar por mim”. 

A celebração  será presidida pelo Bispo de Morondava, Dom Marie Fabien Raharilamboniaina e conta com a participação do bispo emérito da diocese, Dom Donald Joseph Pelletier.

“Agradecemos ao Papa”, disse o bispo da diocese, Dom Marie Fabien Raharilamboniaina, “por ter voltado seu olhar para nós, apesar de estarmos longe. Com seu coração, ele vê o que está a milhares de quilômetros de distância e é invisível aos olhos. Com esta Catedral, construída por 200 pobres pedreiros, tanto homens como mulheres, a população se sente mais próxima de Deus”.

O povo sentia-se longe da Igreja

A Co-Catedral está localizada em Miandrivazo, uma cidade no centro de Madagascar com cerca de 20 mil habitantes, situada na Diocese de Morondava. Fica a cerca de 300 quilômetros de Morondava. Por esta razão – diz o bispo desta diocese, D. Marie Fabien – o povo de Miandrivazo “sentia-se longe da Igreja”, imerso numa grande área ocupada por florestas e áreas desérticas. Há cinco anos, o bispo convocou o Sínodo Diocesano, durante o qual “o povo de Deus nesta área pediu maior proximidade por parte da Diocese”. A população conta com 80% de seguidores das religiões ancestrais e 15% de católicos. “Porém os animistas”, diz o bispo, “são muito abertos ao Evangelho”.

Presença de várias Congregações

O bispo pediu a muitas Congregações que viessem a esta área isolada e remota. Atualmente estão presentes os Padres Salettini, os Jesuítas, os Padres Montfort, os Padres Trinitários, as Irmãs de Jeanne Delanoue, as Irmãs do Imaculado Coração de Maria, as Irmãs Salesianas, as Irmãs Teresianas Missionárias Carmelitas, as Irmãs do Sagrado Coração, as Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, os Padres Carmelitas, os Padres Cistercienses, os Padres Orioninos, os Frades do Sagrado Coração, assim como os Padres Diocesanos. “Eles responderam generosamente ao chamado do Papa para ir às periferias. Esta presença nos permite estar próximos a este povo e levar adiante a evangelização. Existem mais de 50 novas comunidades cristãs básicas nos vários vilarejos. Há mais de 6000 crianças em nossas escolas e temos três clínicas. Há quinze dias, presidi uma missa na qual batizei 200 pessoas. Nessas aldeias, há muitas pessoas que disseram que estavam esperando por nós há muito tempo”.

Nova vitalidade desta Igreja

Esta presença”, continuou o bispo, “nos levou a criar uma estrutura para acompanhar a vitalidade desta Igreja”. Portanto, construímos a nova Co-Catedral, a Casa Diocesana, o Seminário Menor, o Centro Catequético, um Centro Juvenil e uma estação de rádio católica”. “Graças a Deus, o povo se disponibilizou para construir um canal de irrigação com mais de 50 quilômetros de extensão, tudo feito à mão”. Este canal rega mais de 2000 hectares de campos de arroz. Temos enfrentado e estamos enfrentando estes desafios sem meios financeiros: mas com a Providência divina, os meios chegam todos os dias. Tudo isso, missões religiosas, escolas e clínicas são frutos da Providência”.

Depois da visita do Papa chegaram as ajudas

“A realização da Co-Catedral e da Casa Diocesana foi possível graças à visita do Papa a Madagascar, o que despertou a generosidade de uma mulher e de sua família. Esta mulher veio falar com o Papa dizendo-lhe que Madagascar precisa de ajuda. Após esta visita, ela nos ajudou a construir uma clínica e depois a Co-Catedral e a Casa Diocesana. Este compromisso envolveu então toda a família desta senhora. Seu irmão lhe deixou uma herança, chamava-se Joseph. E este ano, o Papa dedicou o ano a São José. O bairro onde esta Catedral foi construída tem São José como seu padroeiro. A inauguração da Co-catedral, que é dedicada a São José, acontece no dia 1º de maio, a festa de São José Operário. Nosso bispo emérito chama-se Joseph: em junho ele completará 90 anos de idade. Toda esta série de circunstâncias nos mostra a vontade de Deus”.

“Infelizmente, ainda estamos dentro da emergência sanitária. Portanto, a celebração ocorre com um número muito limitado de pessoas. Isto nos faz lembrar a vida de São José e a de Maria: o menino Jesus nasceu num lugar da periferia e muito poucas pessoas foram vê-lo. Apesar da ausência de tantos, a graça divina está presente. Mais tarde, organizaremos uma peregrinação a São José, convidando os fiéis da Diocese a caminhar a pé por alguns dias, evangelizando os vilarejos e cidades por onde passarão. Este tipo de peregrinação atrai especialmente os jovens”.

Comente

Seu email nao sera publicado. Campos marcados so obrigatorios *

*