Eu não vi ninguém – Portal de Notícias da Diocese de Macapá
ACESSO RÁPIDO
Home » Artigos Dom Pedro » Eu não vi ninguém

Eu não vi ninguém

Existia um homem que desejava possuir ouro, muito ouro, todo o ouro. Desejava isso com tanta intensidade que não pensava em outras coisas. Quando passava em frente a uma vitrine e via algum adereço de ouro, não reparava as outras coisas bonitas que estavam expostas, via somente o ouro. Certo dia, não conseguiu resistir: entrou numa loja que vendia joias de ouro, rapidamente apanhou algumas correntes e pulseiras e tentou correr. Todo mundo viu; imediatamente o agarraram e os policiais perguntaram para ele

– Como o senhor achava que ia conseguir fugir se a loja estava cheia de pessoas?

– Eu? Não respondeu o homem, Não vi ninguém. Eu estava somente de olho no ouro.

Uma simples história para lembrar que existem muitos tipos de cegueira. A física, quando os olhos não cumprem direito a sua função, mas também a cegueira de quem escuta; enxerga o que quer, o que gosta, ou o que lhe interessa. Também, muitas vezes, acontecem coisas debaixo dos nossos olhos e, no entanto, por covardia, comodismo ou indiferenças ao agimos exatamente como se fossemos cegos.

A cura do cego Bartimeu, do evangelho deste domingo, é muito mais que um exemplo de recuperação da vista; é a transformação da vida daquela pessoa e, se entendemos bem, a possibilidade de que Jesus cure e mude todos nós.

Aos vários domingos, encontramos Jesus, bom mestre, ensinando o caminho aos discípulos; agora estes devem tomar a decisão de segui-lo. Se não fosse assim Jesus seria apenas um bom conselheiros. Na realidade, ele quer mudar a vida das pessoas para que, enxergando agora o caminho certo, possam entrar neste caminho com determinação e coragem.

O cego, mendigo, sentado à margem da estrada, representa todos aqueles que, de alguma forma, cruzam com o Senhor que passa em suas vidas. Podem ficar parados, continuar na mesma situação de miséria e pobreza, ou lançar um grito de socorro. Bartimeu grita: Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim. Com isso, Jesus manifesta a sua insatisfação, porque estava cansado de ser cego, e, ao mesmo tempo, declara a sua confiança: finalmente encontrou alguém que poderia ajuda-lo.

Muitos mandam que o cego se cale, não perturbe, que fique quieto onde está. Outros pensam que a vida é assim, depende da sorte, do destino e da vontade de Deus? Que é melhor se conformar, cada um, com a própria situação. No entanto, nem o cego e nem Jesus não pensam dessa forma. É possível sim, mudar as coisas; algo de novo e surpreendente pode acontecer. Jesus não atendeu a Bartimeu, manda chama-lo. Dizem ao cego: Coragem, levanta-te, Jesus te chama! Que palavras extraordinárias para quem estava sentado, imobilizado pela cegueira! É preciso ter coragem para tomar a decisão de sair de uma situação bem conhecida, para arriscar enfrentar uma nova realidade, desconhecida. Mas se Jesus chama… O cego pula, deixa o manto, que era o seu abrigo, a sua segurança. Ao mestre que pergunta o que Bartimeu quer, ele responde com decisão: Que eu veja! Bartimeu estava; cansado de não enxergar, de não andar, de mendigar, quer uma vida nova. Jesus reconhece nele a forma da fé e por causa dessa fé que o cego fica curado. Por ela, também, o homem doente estava; transformado; confiou em Jesus e agora pode segui-lo pelo caminho. Livre e alegremente.

É uma página do evangelho que vale para todos. Vale como incentivo para aqueles que um dia perceberam Jesus passar em suas vidas, mas não quiseram mudar, continuaram as suas próprias existências, conformados ou reclamando da situação. Nunca gritaram por socorro. Nunca acreditaram que podiam pedir ajuda ao Senhor. Outros, diferentemente, pediram, gritaram, esbravejaram, mas quando Jesus os chamou para que fossem juntos dele, não tiveram força para pular, para chegar mais perto do Senhor. Enfim, existem aqueles que perceberam a beleza da fé, a alegria de ser cristão, mas, por algum motivo, preferiram outro caminho, desistiram de entrar e fazer parte dos discípulos do Mestre.

Cada um de nós veja em que momento desta página do evangelho pode se colocar. Ainda pode estar no início, parado com a cegueira do brilho do ouro ou de qualquer um dos ídolos deste mundo que nos cegam. Pode estar também seguindo Jesus de longe, nas veredas difíceis da vida. Mas talvez já esteja aproveitando da luz da fé, fraca ou brilhante que seja. Agradeça de coração e cuide-se para não sair nunca mais do caminho.

Sobre pascom

Comente

Seu email nao sera publicado. Campos marcados so obrigatorios *

*