Buscar na Web

Seja bem Vindo,
Terça-Feira, 21 de novembro de 2017.


Igrejas Católicas de Santana realizam 7° Encontrão dos Coroinhas

Diocese de Macapá se prepara para a abertura do Ano Nacional do Laicato

Ano dos leigos e das leigas

Artigo de Dom Pedro: A alma e o corpo

05.11.2017


29/04/2017

Jesus vai chegar!



 

Jesus vai chegar!

Dom Pedro José Conti
Bispo de Macapá

Certo dia um homem soube que Jesus estava para visitar a sua casa. – Virá mesmo ter comigo? Na minha casa? – pensou. E ficou preocupado. Correu para cá e para lá nos quartos, na cozinha, no quintal. Subiu até o telhado para conferir. Reparou as coisas com outros olhos. Tudo estava sujo, desarrumado, feio, cheio de bugigangas inúteis. – Falta até o ar – disse. Mas não desanimou. Abriu portas e janelas e começou a maior faxina da sua vida. No meio da nuvem de poeira, que logo se levantou, apareceu uma pessoa para ajudá-lo. Era tanto trabalho que não tiveram nem tempo para conversar, mas em dois tudo era mais fácil. Jogaram fora muitas coisas velhas, amontoaram e queimaram uma montanha de lixo. Esfregaram os pisos, limparam os vidros das janelas, descobriram ninhos de baratas e esconderijo de ratos. O homem dizia: - Nunca vamos acabar –. O outro respondia: - Falta pouco! – Trabalharam sem parar o dia inteiro. Aos poucos, finalmente, a casa brilhava; parecia nova. Já estava anoitecendo quando os dois, exaustos, foram para a cozinha e arrumaram a mesa. – Agora Jesus pode vir – disse o homem suspirando - - Eu já estou aqui - respondeu o outro – Senta-te à mesa e janta comigo! -.

A página dos discípulos de Emaús, que encontramos neste terceiro Domingo de Páscoa é bem conhecida. Para o evangelista Lucas ainda é o “primeiro dia da semana” – o dia da Ressurreição - um dia tão longo que nunca parece acabar. Chega a noite, mas ainda tem tempo para voltar a Jerusalém, encontrar os Onze reunidos e contar o que tinha acontecido. Tem a arte do narrador naquelas palavras cheias de tristeza e alegria, desânimo e ardor, cansaço e energia, mistério e revelação. Um resumo da experiência do caminho a ser feito por todo discípulo. Por nós também, se queremos sair da tentação da desistência e das nossas obstinadas e inúteis explicações. Não tenho dúvida que a maior dificuldade para entender a alegre notícia do Evangelho esteja em nossas “ideias”, na nossa pretensão de explicar tudo, de encaixar Deus e o seu agir em nossos raciocínios limitados e, na maioria das vezes, preconceituosos. É o famoso: “Nós esperávamos” dos dois discípulos de Emaús. Em resposta Jesus lhes diz que eram “sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram”.

Paradoxo, em tempos de bombas “superinteligentes”, nós continuamos fechados, sem o desejo e a disponibilidade para entender as palavras de Jesus. Ele sempre tem a paciência de explicar de novo, de fazer arder o coração de quem lhe presta atenção. Mas nós continuamos distraídos; caminhamos na vida que passa sem meta segura, atraídos por promessas de bens individuais e passageiros, fascinados por ilusões egoístas. Tudo isso é muito diferente daquilo que Jesus ensinou e praticou com a sua vida e a sua morte na cruz. Ele tornou visível a misericórdia do Pai, a sua bondade, sem exclusões, com mais atenção aos pequenos, aos doentes, aos sofredores. Não disputou com os grandes, os poderosos; os chamou de mandões, opressores e raposas. Entre os discípulos dele não deve ser assim. O único “poder” é o serviço, é lavar os pés uns aos outros, como ele, “o Mestre e Senhor” fez. A fraternidade do Evangelho é outra maneira de viver, de organizar a convivência social, a economia, a política, a paz entre os povos. A estrada é longa e cheia de obstáculos, mas Jesus caminha conosco. Não nos deixa, até reconhecê-lo no gesto da partilha, da vida doada, do sangue derramado. É a Eucaristia, a memória do seu amor total. Assim os dois discípulos retomam coragem, o coração, agora, vibra de entusiasmo, sabem o que devem dizer e fazer. São outras pessoas.

Ao longo daquele caminho, foi necessária uma grande “limpeza”: na vida, nas ideias, nas expectativas deles. Jesus ajudou, sem alarde, desconhecido, trabalhando junto, amigo. A casa ficou limpa. O jantar uma festa. Só uma história? Como aquela dos discípulos de Emaús ou o fadigoso “trabalho” de todos nós? Quem não tem algo para jogar fora? É lixo, não serve para nada. Faça uma fogueira. Não tenha medo. Jesus ajuda.                                                                  


Rua Manoel Eudóxio, 5007 -
Santa Rita
Macapá - Amapá

Fone :(96) 3224-3051
CEP: 68.900-000