Buscar na Web

Seja bem Vindo,
Terça-Feira, 21 de novembro de 2017.


Igrejas Católicas de Santana realizam 7° Encontrão dos Coroinhas

Diocese de Macapá se prepara para a abertura do Ano Nacional do Laicato

Ano dos leigos e das leigas

Artigo de Dom Pedro: A alma e o corpo

05.11.2017


23/04/2017

Os eremitas



 

Os eremitas

 

                                   Dom Pedro José Conti

Bispo de Macapá

Muitos eremitas moravam nas redondezas de uma nascente de água. Cada um tinha construído uma pequena cabana e passava o dia todo em silêncio, rezando e meditando. Recolhidos em si mesmo, invocavam o bom Deus. Este queria visitar os eremitas, mas não conseguia encontrar o caminho. O que via eram tantos pontinhos, um distante do outro, na imensidão do deserto. Um dia, por uma improvisa necessidade, um eremita foi atrás de um outro. No chão, ficou uma pequena trilha. O outro eremita devolveu a visita e a trilha se aprofundou. Outros eremitas começaram a se visitar. Cada vez com mais frequência. Um dia, Deus, que os eremitas sempre invocavam, olhou lá do alto e viu uma teia de trilhas que unia as cabanas dos eremitas. Ficou feliz e disse: “Agora sim, tenho o caminho para visitá-los”.

No segundo domingo de Páscoa sempre encontramos o evangelho de Tomé, o apóstolo que, segundo o evangelho de João, estava ausente na primeira aparição de Jesus ressuscitado. Não acreditou na palavra dos demais. Oito dias depois, quando Jesus apareceu novamente e o convidou a conferir os sinais da paixão, Tomé acreditou e fez a sua bela profissão de fé: “Meu Senhor e meu Deus”. Podemos ficar incomodados, mas todos têm direito de perguntar a quem se declara cristão: - Quem é Jesus para você? -. Melhor ainda se são os filhos que perguntam aos pais. Em família, com simplicidade e confiança. É um bom sinal. Significa que não estão mais satisfeitos com a ordem de ir à Igreja ou ao Catecismo sem ter os pais ao seu lado. Estão crescendo. Estão ficando curiosos e entendendo que ser cristão não pode ser simplesmente um costume, uma “obrigação” de criança e adolescente. Com efeito, para alguns, não é nada mais do que isso, porque, quando crescer, tudo será esquecido.  Perguntas e questionamentos são sempre saudáveis, sobretudo, quando nos levam a buscar respostas que nos satisfazem e que, com certeza, serão diferentes segundo a etapa da vida onde estamos: criança, jovem ou adulto. Respostas infantis só podem servir às crianças. Aos adultos não.

Sempre podemos ficar indiferentes ou achar tudo isso bobagem. Infelizmente, essa é uma resposta que muitos estão dando ao sentido de suas vidas. Outros, conscientes ou não, pedem ajuda. Hoje, televisão e internet parecem ter resposta para tudo. Sem dúvida nos poupam a fadiga de pensar, refletir e nos confrontar com os outros. Muitos param por aí. Não querem arriscar. Vão com as conversas da moda ou constroem uma própria imagem de Deus. Ser cristãos é outra coisa, porque ninguém inventa a fé cristã. Porque ninguém cria Jesus Cristo! A fé cristã é anunciada, comunicada, explicada e, sobretudo, testemunhada, vivida. Depois de entendida, pode ser acolhida como um dom, uma luz para a vida, ou não. Ninguém é obrigado a crer. Nos tornamos cristãos se acreditamos que isso importante para a nossa vida. Mas, de verdade, quem pode nos ajudar a cumprir essa tarefa sempre pessoal e arriscada? É a comunidade de Tomé e dos primeiros discípulos. É a comunidade daqueles que, nos lembra a primeira leitura deste domingo, tirada do livro dos Atos dos Apóstolos, desde o início eram “perseverantes em ouvir o ensinamento dos apóstolos, na comunhão fraterna, na fração do pão e nas orações” (Atos 2,42). É a Igreja que, antes de ser algo de estruturado e organizado, se nos apresenta nas nossas comunidades, onde nos conhecemos, nos respeitamos e nos ajudamos a viver na alegria e na participação a nossa fé. A comunidade cristã, por pequena e fraca que seja, é o antidoto contra o individualismo. É o único remédio contra aquela maneira de pensar de poder encontrar um Deus, que é amor-comunhão, cada um por sua conta. É verdade que a adesão à fé cristã sempre será e deve ser pessoal, mas não o é no seu conteúdo, naquilo que professamos no “Credo”. Se ficarmos isolados, podemos crer em muitas coisas, mas quem nos garante que acreditamos no Deus Pai de Jesus Cristo, confirmado pelo Espírito Santo? Precisamos de trilhas que nos unam. Somente juntos com os outros, podemos nós também acreditar e dizer a Jesus: “Meus Senhor e meu Deus!”.

 

Rua Manoel Eudóxio, 5007 -
Santa Rita
Macapá - Amapá

Fone :(96) 3224-3051
CEP: 68.900-000