Artigo de Dom Pedro – Portal de Notícias da Diocese de Macapá
Home » Artigos Dom Pedro » Artigo de Dom Pedro

Artigo de Dom Pedro

Eu vou contigo

Dom Pedro José Conti

Bispo de Macapá

Um casal de jovens tinha-se casado havia poucos meses, mas o matrimônio deles era um verdadeiro fracasso. Ele não suportava o gosto horrível da comida que ela preparava e ela se perguntava como tinha pensado que as brincadeiras dele fossem divertidas. Resmungavam, mas nenhum dos dois falava abertamente o que pensava. Porém, certa tarde de domingo, quando discutiam de qual cor pintar a sala, a raiva, guardada fazia tempo, explodiu. Foram gritos e berros; cada um jogou acusações e defeitos na cara do outro. Alguns dos pratos ganhos no dia do casamento se espatifaram. O marido pegou as chaves do carro, saiu de casa e as últimas palavras dele foram:

– Basta! Vou te deixar! No entanto, antes que o motor do velho carro pegasse, a porta lateral do passageiro se abriu e a mulher caiu de peso no assento. Tinha o rosto marcado de lágrimas, mas estava cheia de determinação.

– Onde pensas que vai? – perguntou o marido. A esposa hesitou um instante antes de responder. Aquelas palavras iam decidir qual direção tomariam as suas vidas nos quarenta e sete anos sucessivos.

– Se tu me deixas – respondeu a mulher – Eu vou contigo.

Contei um caso real de amor conjugal que…não acabou. Curiosamente, no evangelho deste domingo encontramos o caso fictício de uma mulher com sete maridos-irmãos. Segundo as normas de Moisés, se um homem casado morresse sem ter filhos, um dos irmãos do falecido devia casar-se com a viúva para dar descendência ao irmão defunto. Nesse caso imaginário, todos os sete irmãos morreram antes da mulher. Aqueles que não acreditavam na ressurreição queriam saber de Jesus com qual dos sete maridos ela ficaria, depois que morresse também, já que todos tinham-se casado com ela. Um caso inventado, só para ridiculizar a fé na ressurreição. Na sua resposta, Jesus simplesmente nos diz que a situação dos ressuscitados será de vida, mas não com as mesmas relações, matrimoniais por exemplo, como neste mundo. Na ressurreição haverá somente o amor de Deus que unirá a todos e a todas numa comunhão perfeita, muito além dos laços humanos anteriores. Nada se perderá dos amores terrenos; também aqueles que foram santos e bonitos serão transformados no amor de Deus e serão mais santos e mais bonitos ainda. Os ressuscitados participarão da vida amorosa plena e perfeita de Deus. Detalhes? Não temos, mas o que Jesus disse alimenta a nossa fé e a nossa esperança, porque, como São Paulo ensina, quando essas virtudes não servirão mais, ficará somente o amor e será o amor grande, sem fim, o amor de Deus (1Cor 13,13).

A resposta de Jesus aos saduceus é muito mais que uma informação sobre a vida futura. Saber que todo amor humano é caminho para a vida plena e tem consequências na eternidade nos ajuda a viver profundamente esse amor. Seria muito ousado dizer que todo amor neste mundo, o conjugal, o dos irmãos, dos pais com os filhos e dos filhos com os pais, o amor sincero de amigos, é sinal e memória, ao mesmo tempo, do amor eterno de Deus? Através do amor do pai terreno, os filhos amados conseguem, ao menos um pouco, acreditar e desejar o grande amor do Pai Deus. Quem está disposto a dar a vida pelo amigo, quem se compromete por causa da amizade, torna visível novamente o amor divino daquele que “não poupou seu Filho” (Jo 3,16). Os cônjuges fazem o mesmo quando se doam um ao outro com liberdade, só por amor, “todos os dias das nossas vidas” como eles dizem no dia do casamento (Ritual do Matrimônio). Também os que não se casam, quando abraçam as grandes causas da justiça e da paz, são sinais de uma esperança na vida e no amor que vai além dos cálculos e dos projetos humanos destinados a acabar. O celibato ou a virgindade consagrada por causa do Reino de Deus, para servir os pobres e abandonados, falam por si mesmos da ressurreição, também quando são mal compreendidos ou parecem fora de moda. Todo amor que brilha pela gratuidade e a doação, que não se prende a prazos, interesses, trocas ou algo semelhante, é um sinal do amor gratuito e sem fim de Deus. 47 anos? Nada mal para os dois que iam se largar.

Comente

Seu email nao sera publicado. Campos marcados so obrigatorios *

*